“Diante da imponente erudição de tais sabições, às vezes digo para mim mesmo: ah, essa pessoa deve ter pensado muito pouco para poder ter lido tanto! Até mesmo quando se relata, a respeito de Plínio, o Velho, que ele lia sem parar ou mandava que lesse para ele, seja à mesa, em viagens ou no banheiro, sinto a necessidade de me perguntar se o homem tinha tanta falta de pensamentos próprios que era preciso um afluxo contínuo de pensamentos alheios, como é preciso dar a quem sofre de tuberculose um caldo para manter sua vida.”

– Arthur Schopenhauer

Fonte: SCHOPENHAUER, Arthur. Parerga und Paralipomena: kleine philosophische Schriften. A.W. Hahn, 1851.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *