“Não é somente o mundo que se trata de mudar; é o homem. De onde surgirá esse homem novo? Não de fora. Camarada, saibas descobri-lo em ti mesmo, e, como do minério se extrai o puro metal sem escória, exige-o de ti esse homem esperado. Obtém-no de ti. Ousa tornar-te o que és. Não te satisfaças com pouco. Há possibilidades admiráveis em cada ser. Persuade-te de tua força e de tua mocidade. Saibas redizer-te sem cessar: Depende só de mim.”

– André GideVer Fonte

“[…] pois todos os segredos da natureza jazem a descoberto e chocam-se contra nossos olhos diariamente, sem que prestemos atenção. Os povos terão pena de nós mais tarde quando tiverem tirado partido da luz e do calor do sol, pena de nós que extraímos nosso combustível das entranhas do solo e que desperdiçamos o carvão sem nos preocuparmos com as gerações futuras.”

– André GideVer Fonte

“Toda criatura tem direito a certa soma de felicidade, na medida em que seus sentidos e seu coração a suportam. Por pouco que me tirem, sinto-me roubado. Não sei se reclamava a vida, antes de ser; porém agora que vivo, tudo me é devido. Mas a gratidão é tão doce e é-me tão necessariamente doce amar, que a menor carícia do ar desperta um agradecimento em meu coração. A necessidade de gratidão ensina-me a fazer felicidade de tudo que vem a mim.”

– André GideVer Fonte

“A necessidade da opção sempre me foi intolerável; escolher não era bem eleger que se me afigurava, e sim rechaçar o que não elegia. Compreendia apavoradamente a estreiteza das horas, e que o tempo só tem uma dimensão; era uma linha que eu desejara espaçosa e meus desejos nela correndo, uns aos outros prejudicavam necessariamente. Eu não fazia senão isto ou aquilo. […] Escolher fora renunciar para sempre todo o resto, e a quantidade numerosa desse resto continuava preferível a qualquer unidade.”

– André GideVer Fonte